PROGRAMAÇÃO DAS SESSÕES DE COMUNICAÇÕES

Clique aqui para baixar o Caderno de Programação.

Clique aqui para baixar o Caderno de Resumos.

 

QUARTA-FEIRA, 26 DE SETEMBRO

 

SESSÃO 1 – AS REFORMAS NA LEGISLAÇÃO DO TRABALHO NA ARGENTINA E NO BRASIL: O ATAQUE AOS DIREITOS SOCIAIS – Moderadora: Marcia de Paula Leite (UNICAMP)
Reforma laboral: análisis del caso argentino – Andrea Del Bono (CONICET/ISCyA-UNAJ)
Os caminhos da resistência à reforma trabalhista no Brasil e na Argentina e o papel do movimento sindical – Marilane Oliveira Teixeira (CESIT-UNICAMP)
A reforma trabalhista no mundo: a realidade brasileira – Magda Barros Biavaschi (CESIT-UNICAMP)
Os impactos iniciais da reforma trabalhista sobre o movimento sindical no brasileiro – Jose Dari Krein (UNICAMP)
O Judiciário e a reforma trabalhista: a perda de direitos antes das reformas- Alisson Droppa (UNICAMP)

SESSÃO 2 – TRABALHADORES E SINDICA-TOS NA DITADURA CIVIL-MILITAR I
Trabalhadores e sindicatos de juiz de fora na justiça do trabalho: luta e resistência operária frente aos autoritarismos da ditadura civil-militar brasileira (1964-1974) – Paulo Henrique Silveira Damião (UFJF)
Os trabalhadores e o golpe civil-militar no amazonas (1961-1964) – César Augusto Bubolz Queirós (UFAM)
Entre a estabilidade e o FGTS: trabalhadores/as da indústria do calçado de Novo Hamburgo na Justiça do Trabalho (1968-1979) – Micaele Irene Scheer (UFRGS)
Narrativas de gênero no processo de proletarização durante a ditadura militar brasileira – Beatriz Goncalves Dos Santos (PUC/RJ)

SESSÃO 3 – TRABALHADORES E SINDICA-TOS NA DITADURA CIVIL-MILITAR II
“Ser mulher, ser operária”: realidade e resistência das trabalhadoras no sindicato dos trabalhadores nas indústrias metalúrgicas, mecânicas e de material elétrico de Campinas e região em 1984 – Gabriela Costa da Silva (UFSM)
“Quando velhos personagens voltaram à cena”: o sindicato dos sapateiros de Novo Hamburgo/RS e o enquadramento da memória – Evandro Machado Luciano (UFRGS)
Biografia coletiva dos dirigentes do sindicato dos metalúrgicos do ABC entre as décadas das 1970 e 1980 – Kimi Tomizaki/Maria Gilvania Valdivino Silva/ Gustavo Herthel Nascimento (USP)

SESSÃO 4 – MUNDOS DO TRABALHO, HISTÓRIA GLOBAL E CONEXÕES TRANSNACIONAIS
Uma história do abolicionismo no mundo atlântico: livres de cor e escravos na luta por cidadania e contra a escravidão, das colônias caribenhas a França metropolitana (1830-1848) – Letícia Gregorio Canelas
Em defesa da “raça latina” e pela exclusão da “população negra” – apontamentos sobre projetos de imigração de trabalhadores de Porto Rico para o Brasil nos anos 1890 – Ana Flávia Magalhães Pinto (UNB)
William Chandless na Amazônia: mundos do trabalho e cultura material indígena em perspectiva transnacional – Antonio Alexandre Isidio Cardoso (USP)
A Amazônia de Manoel de Souza Lobo: mundos do trabalho nos seringais e relação com os índios parintintin- Davi Avelino Leal (UFAM)
Trabalho, raça e política: o olhar norte-americano sobre o Brasil no contexto da Segunda Guerra Mundial – Alexandre Fortes (UFRRJ)

SESSÃO 5 – MULHERES NOS MUNDOS DO TRABALHO I
Mulheres na fronteira, século XVIII e XIX: estrutura agrária, legislação e cor – Laura Candian Fraccaro (Unicamp)
O trabalho feminino nos seringais do Acre – Aldemira Ferreira De Almeida (UFAM)
Gênero e trabalho: as operárias da fábrica Rheingantz (Rio Grande, 1920-1968) – Caroline Duarte Matoso (UFPel)
Feminismo e trabalho: as reivindicações do grupo feminista Germinal e do movimento de mulheres santa-marienses (Santa Maria, 1981-1995) – Paula Ribeiro Ciochetto (UFSM)

SESSÃO 6 – MULHERES NOS MUNDOS DO TRABALHO II
Luta de mulheres: o caso Iracema e a luta das mulheres por creches e licença maternidade nos bancos – Luciana Carlos Geroleti (UFSC)
O tempo da infância: narrativas de trabalhadoras domésticas – Luísa Maria Silva Dantas (UFRGS)
Experiências e lutas de trabalhadoras domésticas por direitos, porto alegre (anos 1940 e 1950) – Maurício Reali Santos (UFRGS)
“Fugiu porque era maltratada”: ações de resistências e insubordinação de criadas/os menores de idade – Natália Batista Peçanha(UFRRJ)
Os excluídos do bem-estar: imigrantes e mulheres no fordismo britânico (1948-1970) – Thiago Romão de Alencar (UFF)

SESSÃO 7- ASSOCIATIVISMO, MUNDOS DO TRABALHO E PÓS-ABOLIÇÃO
Trabalhadores livres e associativismo negro em Minas Gerais na segunda metade do século XIX – Jonatas Roque Ribeiro (UNICAMP)
Associativismo e experiência política da população negra em Curitiba (1870-1910) – Pamela Beltramin Fabris (UFPR)
Escolas de trabalhadores: lutas pela instrução popular e o pós-abolição em Curitiba (1883-1917) -Noemi Santos da Silva (Unicamp)
“Era como escravo, era empregado, mas tinha que trabalhar”: aspectos do mundo do trabalho de uma charqueada na visão dos trabalhadores/as (Jaguarão, século XX)” – Allan Mateus Cereda (UFRRJ)

SESSÃO 8 – INTELECTUALIDADES NEGRAS, MUNDOS DO TRABALHO E PÓS-ABOLIÇÃO
O Exemplo, um jornal do povo: imprensa, trabalho e racialização no pós-abolição (Porto Alegre, 1892-1911) – Melina Kleinert Perussatto (UFFS)
Literatura brasileira e mundos do trabalho: leituras interseccionais – Juliane Vargas Welter (UFRN)
O negro como rebelde e como trabalhador: Clovis Moura, a história da escravidão e o ativismo intelectual negro no Brasil – José Maria Vieira de Andrade (UFC)

SESSÃO 9 – TRABALHADORES TÊXTEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS E APONTAMENTOS DE PESQUISA – Moderador: Paulo Fontes (CPDOC-FGV)
A interseção do “rural” com o “urbano”: os percalços na Justiça do Trabalho dos empregados tidos como “rurais”, pertencentes a Companhia de Tecidos Paulista (1950-1952) – Anna Maria Litwak Neves (UFPE)
A ação dos têxteis: sindicato e militância comunista na Companhia de Tecidos Paulista – fábrica Rio Tinto (1931-1935) – Eltern Campina Vale (UFPE)
Por um balanço bibliográfico sobre fábricas e trabalhadores têxteis no Brasil – Felipe Augusto dos Santos Ribeiro (UFRRJ)
As experiências dos operários têxteis da fábrica Laneira brasileira em Pelotas/RS (1980-1988) – Jordana Alves Pieper (UFPel)
Operárias, mães, militantes, religiosas: a atuação das mulheres na cidade-empresa belga situada no interior de Pernambuco (Moreno), anos 1950-1960 – Márcio Romerito da Silva Arcoverde

SESSÃO 10 – ESTADO NOVO: CONTROLE E RESISTÊNCIA
As fotografias 3×4 dos trabalhadores do Rio Grande do Sul no acervo da Delegacia Regional do Trabalho, 1933-1943 – Aristeu Elisandro Machado Lopes (UFPel)
As tentativas de desnaturalização da repressão política no mundo do trabalho: uma análise do fundo de arquivo da CEFMSJ no Museu Estadual do Carvão (1937-1945) – Rafael Lamera Giesta Cabral (Universidade Federal Rural do Semi-árido)
A escassez de combustível durante a Segunda Guerra Mundial no Rio Grande do Sul: para além das implicações econômicas – Tamires Xavier Soares (UFSM)
“Para garantir os direitos do operário e defendê-lo contra as injustiças e as opressões”: mundos do trabalho e o Tratado de Versalhes (1919) e a conferência internacional do trabalho (1938) – Glaucia Vieira Ramos Konrad (UFSM)

SESSÃO 11 – MUNDOS DO TRABALHO E PROJETOS POLÍTICOS DA ESQUERDA
Trabalhadores brasileiros antifascistas, III Internacional e a Aliança Nacional Libertadora entre 1934 e 1935, um balanço historiográfico – Diorge Alceno Konrad (UFSM)
Flechas vermelhas: trabalhadores, ANL e a tentativa de levante novembro de 1935 no estado do amazonas – Davi Monteiro Abreu (UFAM)
O fascismo a partir dos trotskistas nos anos 1930 – Roberto Borges Lisboa (UFSM)
Estruturas transnacionais do comunismo internacional e o PCB no mundo do trabalho (1924-1943) – Érick Fiszuk de Oliveira (Unicamp)

SESSÃO 12 – MEMÓRIAS DO TRABALHO E HISTÓRIA ORAL
Empoderamento de mulheres por meio do trabalho na construção civil: uma forma de inclusão social – Neusa Maria da Silva (UFMG)
A gente trabalha na nossa velha infância: cultura e trabalho infantil de feirantes no Recôncavo Baiano (1950-1970) – Hamilton Rodrigues dos Santos (UFC)
Joias de memórias: mestres ourives do polo joalheiro do Pará no tempo de lembrar o vivido – Rosângela da Silva Quintela (UEPA)
Memórias dos mundos do trabalho em Macapá (década de 90, séc. XX): relatos de trabalhadores como fontes para o ensino de história local – Angela Maria dos Anjos Nascimento (UNIFAP)
A desmancha: projetos e memórias dos farinheiros e farinheiras do semiárido piauiense, nas primeiras décadas do século XXI – Rodrigo Gerolineto Fonseca (UFRGS)

QUINTA-FEIRA, 27 DE SETEMBRO

 

SESSÃO 13 – RELAÇÃO DE EMPREGO, SINDICATOS E DIREITOS SOCIAIS NO BRASIL PÓS-REFORMA TRABALHISTA – Moderador: Leandro Do Amaral Dorneles De Dorneles (UFRGS)
Apontamentos sobre natureza jurídica da relação de emprego no Brasil – Rodrigo Espiúca dos Anjos Siqueira (UFRGS)
A reforma trabalhista (lei nº 13.467) como propulsora da assimetria no âmbito do direito coletivo do trabalho – Gustavo Teiga (UFRGS)
Por uma reconsideração do ordenamento legal sobre a presumida equivalência dos entes coletivos: perspectivas histórica e jurídica – Vitor Rocha Nascimento (UFRGS)
A luta de classes no Brasil – uma análise evolutiva do vínculo social básico do século XIX até o XXI – Breno Hermes Gonçalves Vargas (UFRGS)
O nascimento dos direitos sociais trabalhistas: um cenário com e pela obra de Franz Kafka exposto neste momento de crise – Dartagnan Ferrer dos Santos e Leandro Do Amaral Dorneles De Dorneles (UFRGS)

SESSÃO 14 – NOVAS INTERPRETAÇÕES SOBRE A DITADURA MILITAR: ESTADO, SINDICALISMO E SINISTRALIDADE LABORAL – Moderadora: Ana Beatriz Ribeiro Barros Silva (UFPB)
Condições de trabalho e sinistralidade laboral durante a ditadura militar brasileira através da imprensa – Ana Beatriz Ribeiro Barros Silva (UFPB)
Comportamentos e atitudes sociais de trabalhadores metalúrgicos na ditadura militar – Carolina Dellamore (UFMG)
O novo trabalhismo como a política da ditadura para os sindicatos: a concessão de bolsas de estudos e a propaganda – Heliene Nagasava (CPDOC/FGV)
Aliança empresarial-militar, repressão e “redemocratização”: métodos, interesses e responsabilidades – Richard de Oliveira Martins (UNICAMP)
Sindicalismo, ditadura e comunidade: de representantes dos trabalhadores a “pelegos” – Eduardo Ângelo da Silva (UFRRJ)

SESSÃO 15 – COMPLEXIFICANDO A INTERSECCIONALIDADE: PERSPECTIVAS QUEER SOBRE O MUNDO DO TRABALHO – Moderador: Paulo Fontes (UFRJ)
As lindas toilletes de Aymond: o trabalho de transformista nos palcos cariocas (1930 – 1950) – Flávia Ribeiro Veras
Comportamentos desviantes e alegações para expulsão: a homossexualidade nas “vilas de malocas” de Porto Alegre (relatório de Ildo Meneghetti, 1952) – Rodrigo de Azevedo Weimer (FEE-UFRGS)
Sexualidades desviantes e possibilidades de atuação na prostituição masculina a partir do caso Luísa Felpuda (Porto Alegre, 1980) – Tiago Medeiros (UFRGS)
Complexificando a interseccionalidade: perspectivas queer sobre o mundo do trabalho – Benito Bisso Schmidt (UFRGS)

SESSÃO 16 – DISCUTINDO GÊNERO E RAÇA NOS MUNDOS DO TRABALHO DO AMAZONAS (SÉCULOS XIX A XXI) – Moderadora: Maíra Chinelatto Alves (UFAM)
Gênero do trabalho portuário em Manaus-AM – Rafaela Bastos de Oliveira (Instituto Batista do Amazonas)
Gênero, trabalho e imprensa: a fábrica de roupas amazonense e o Primeiro de Maio de 1914 em Manaus – Richard Kennedy Nascimento Candido (UFRRJ)
Mudanças no cotidiano de trabalho das famílias nos seringais do Amazonas após Segunda Guerra mundial – Agda Lima Brito (UERJ)
Trabalho, mobilidade e gênero no Amazonas oitocentista (1850-1888) – Jéssyka Sâmya Ladislau Pereira Costa (UNICAMP)

SESSÃO 17 – MUNDOS DO TRABALHO EM TEMPOS DE ESCRAVIDÃO E NO PÓS-ABOLIÇÃO I
“Os artistas pelos artistas” – trabalhadores e suas hierarquias sociais no tempo da escravidão – Renata Figueiredo Moraes (UERJ)
Trabalho livre e trabalho escravo na construção da linha Jundiaí – Campinas: 1870-1871 – Tamires Sacardo Lico (Unicamp)
Mundo do trabalho e pós-abolição: a Freguesia do Pilar como base de análise – Sabrina Machado Campos (FEUDUC/ SME -DC)
Trabalhadores livres e reminiscências da escravidão no extremo sul Bahia, 1885-1890 – Iacy Maia Mata (UFBA) e Robério Santos de Souza (UNEB)
O “memorandum” do Visconde de Indaiatuba, c.1880: embates sobre o trabalho na campinas oitocentista – Paula Ferreira Vermeersch (Unesp)

SESSÃO 18 – MUNDOS DO TRABALHO EM TEMPOS DE ESCRAVIDÃO E NO PÓS-ABOLIÇÃO II
Oficinas de ferreiro na corte: trabalho e espaço em uma cidade escravista (1849-1880) – Antonio Ramos Bispo Neto (UFRJ)
Comércio fluvial na Amazônia oitocentista: sujeitos, transporte e controle social – Simeia de Nazaré Lopes (UFPA)
Chegadas e partidas: a trajetória de trabalhadores espanhóis na metrópole amazônica (1898-1920) – Aline de Kassia Malcher Lima (UFPA)
Trabalhadores indefinidos: trabalho, pobreza e cotidiano na cidade de Fortaleza (1900-1930) – Amanda Guimarães da Silva (UFC)
Trabalho, cativeiro, resistência e liberdade: marítimos escravos na navegação de cabotagem do Brasil (1840-1880) – Diego Schibelinski (UFSC)

SESSÃO 19 – IDENTIDADE E CULTURA NOS MUNDOS DO TRABALHO I
Uma classe de analfabetos? Estereótipos da classe trabalhadora e a política do preconceito linguístico na República Velha – Débora Luciene Porto Boenavides (PUC/RS)
O público organizado para a luta – o cinema do povo na França (1913-1914) – Luiz Felipe Cezar Mundim (pesquisador independente)
Os concursos literários promovidos pelo MTIC, 1942 e 1944 – Adriano Luiz Duarte (UFSC)
La CGT y la formación cultural de los obreros durante el primer peronismo – Yanina Andrea Leonardi (CONICET-Universidad de Buenos Aires)
As noites quentes dos proletários: intelectuais e movimento operário no Rio de Janeiro da Primeira República – Pedro Faria Cazes (UERJ)

SESSÃO 20 – IDENTIDADE E CULTURA NOS MUNDOS DO TRABALHO II
“Pretos” e “polacos”: conflitos entre trabalhadores imigrantes e “brasileiros pobres” no final do século XIX – Ponta Grossa (PR) – Renata Aparecida Sopelsa (Pesquisadora Independente)
Camponeses, artesãos e intelectuais: construção de identidade entre imigrantes do sul do Brasil no século XX – Regina Weber (UFRGS)
Clubes e associações recreativas: entre a sociabilidade e a criminalização de práticas sociais em Manaus (1890-1920) – Kivia Mirrana de Souza Pereira (UFAM)
Entre fábricas, ruas e domicílios: racialização nos mundos do trabalho paulistanos (1890-1930) – Fábio Dantas Rocha (Unifesp)

SESSÃO 21 – O MOVIMENTO OPERÁRIO NA PRIMEIRA REPÚBLICA: NOVAS PERSPECTIVAS E QUESTÕES DE PESQUISA – Moderador: Frederico Duarte Bartz (UFRGS)
O nacional e o regional no movimento operário brasileiro da Primeira República – Frederico Duarte Bartz (UFRGS)
Trabalhadores urbanos, “questão social” e política partidária no Nordeste da Primeira República – Tiago Bernardon de Oliveira (UFPB)
Arte de protesto na imprensa operária brasileira: imagens, contos, poesias e suas funções políticas no mundo do trabalho – Caroline Poletto (IFRS – Campus Bento Gonçalves)
História e as ondas de greve: questões de método – Fernando Sarti Ferreira (USP)
Pontes de liberdade: internacionalismo e imaginário nacional no movimento anarquista no brasil (1890-1937) – Kauan Willian dos Santos (USP)

SESSÃO 22 – O MUNDO DO TRABALHO RURAL I
A identidade negra como instrumento de luta entre os trabalhadores rurais, 1945-1964 – Max Fellipe Cezario Porphirio (UFRRJ)
História política do estatuto do trabalhador rural: João Goulart e os direitos trabalhistas no campo (1960-1963) – Renan Vinicius Magalhães (UFOP)
Direitos no campo em tempos de ditadura: a criação da previdência rural no governo Médici (1971) – Clarisse dos Santos Pereira (UFF)
Precariedade e violência na zona da mata de Pernambuco através dos processos trabalhistas da Junta de Conciliação e Julgamento de Nazaré da Mata (1964 a 1979) – Joana Maria Lucena de Araújo (UFP)

SESSÃO 23 – O MUNDO DO TRABALHO RURAL II
“O meu sonho era esse: trabalhar para terminar de criar os meus filhos… Um comer mais folgado, que eu tenho mesmo…”: fontes, memórias e narrativas do Engenho Ubú (Pernambuco, 1994-1996) – Samuel Carvalheira De Maupeou (UFC)
Trabalho e trabalhadores no processo de expansão das relações capitalistas para Rondônia (1970-1980) – Cátia Franciele Sanfelice de Paula (UNIR/UFU)
Amazônia cabocla: quotidiano e lutas sociais dos trabalhadores afuaenses – Roberta Cacela de Almeida (UNIFAP/ Instituto Federal do Amapá)
O processo de discussão e de implementação das políticas de permanência acerca dos trabalhadores extratores do Amazonas durante a década de 1930 – Romulo Thiago Oliveira de Sousa (UFAM)
Relações internacionais e questão agrária: mundialização do capital, agronegócio e as lutas pela terra em Porto Nacional – Tocantins – Fabiana Scoleso (UFT)

SESSÃO 24 – DA RESISTÊNCIA COTIDIANA AO PROTESTO PÚBLICO I
A cidade ainda está sobre os nossos ombros: as paredes dos portuários e estivadores do porto de Manaus (1950-1964) – Pedro Marcos Mansour Andes (UFPA)
“Queremos ser Petrobras”: os petroleiros de Mauá e a encampação como projeto nacional – Caio Vinicius de Castro Gerbelli (UNIFESP)
Vida cotidiana y conflicto social – la huelga frigorífica de 1969 en el Cerro y algunos efectos en una “comunidad obrera” en crisis – Rodolfo Porrini (Universidad de la República)
“Parece um beef”: a economia moral dos trabalhadores e a carne de baleia (1960-1963) em leitura preliminar – Fernando Pureza (UFPB)

SESSÃO 25 – DA RESISTÊNCIA COTIDIANA AO PROTESTO PÚBLICO II
Nós x eles: operários e patrões das minas de carvão do Rio Grande do Sul e as lutas por reconhecimento através dos clubes de futebol locais (1930-1950) – Tassiane Mélo de Freitas (UFSM)
Cotidiano e trabalho nas padarias de Porto Alegre no início do século XX – Dionathan Dias Kirst (UNISINOS)
Trabalhar e morar em Florianópolis: políticas urbanas e condições de moradia dos(as) trabalhadores(as) da Companhia Hoepcke (1945-1960) – Jéssica Duarte de Souza (UFSC)
“Como se fossem Filhas”: Trabalho e cotidiano das crias de família em Manaus década de 1970 – Janaína Artiago (UFAM)

 

SEXTA-FEIRA, 28 DE SETEMBRO

 

SESSÃO 26 – EM MARGEM DO TRABALHO, EM MARGEM DA CIDADANIA? TRAÇANDO A HISTÓRIA DA LUTA POLÍTICA E JURÍDICA DAS TRABALHADORAS DOMÉSTICAS PELO ESTATUTO DE TRABALHADOR – Moderadora: Louisa Acciari (London School of Economics)
“Frutos do suor”: relações de exploração, produção e dependência do trabalho doméstico na corte imperial (1822 – 1888) – Daniela Fernanda Sbravati (Rede Municipal de Ensino de Florianópolis)
Entre o direito e os costumes: criadas e patrões entre a escravidão e o pós-abolição (Recife e Salvador: 1870-1910) – Maciel Henrique Carneiro Da Silva (IFPE)
Descolonizando o trabalho, redefinindo os direitos: as trabalhadoras domésticas e a luta internacional por direitos trabalhistas – Louisa Acciari (LSE)
Sujeitos, domesticidade e democracia: encontros e desencontros entre movimento feminista e o trabalho doméstico remunerado – Thays Monticelli (Università Ca’Foscari Venezia)
“Trabalho doméstico também é profissão”: experiência de uma trabalhadora doméstica sindicalista – Luiza Batista (Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas)

SESSÃO 27 – RELAÇÕES DE TRABALHO, MOVIMENTO SINDICAL E IGREJA CATÓLICA NO BRASIL – Moderadora: Larissa Rosa Corrêa (PUC-RJ)
Corporação cristã e paternalismo em perspectiva transnacional: as interações entre as organizações católicas para trabalhadores de Camaragibe (Pernambuco) e Val-des-bois (França), 1890-1910 – Deivison Amaral (CPDOC-FGV)
Comunismo, trabalho e repressão no sul fluminense durante a ditadura civil-militar brasileira – Alejandra Estevez (UFF)
Anticomunismo, igreja católica e movimento sindical: notas de pesquisa sobre a relação entre católicos e operários no Rio de Janeiro – Larissa Rosa Correa (PUC-RJ)
Jeitos de ser igreja: debates sobre a renovação da vida eclesial na Amazônia setentrional (1966-1983) – Sidney Lobato (UNIFAP)

SESSÃO 28 – SINDICATOS E MOVIMENTOS SOCIAIS
O problema da relação partido-sindicato no caso de PT e CUT (1978-1991) – Antonio Guedes Gonçalves de Canha (UFRJ)
Formación político-sindical en los años ’60 y ’70 en américa latina: la experiencia de la central latinoamericana de trabajadores (CLAT) – Gabriela Scodeller (INCIHUSA CCT Mendoza-CONICET/UNCuyo)
Não tem arrego: uma análise da greve dos garis no Rio de Janeiro – Simone Kawakami Gonçalves Costa (UFRJ)
A greve nacional dos caminhoneiros de maio de 2018 como manifestação da disputa internacional da geopolítica do petróleo – Illyushin Zaak Saraiva (IFC), Maurício Tavares Pereira (IFRS)

SESSÃO 29 – TRABALHO E TRABALHADORES ASIÁTICOS E SUAS CONEXÕES ATLÂNTICAS: DISCUTINDO PROJETOS GLOBAIS DE EXPLORAÇÃO DA MÃO DE OBRA E OBSERVANDO SEUS DESDOBRAMENTOS NAS EXPERIÊNCIAS DOS SUJEITOS HISTÓRICOS – Moderador: Marcelo Mac Cord (UFF)
Formas da diferença: uma comparação entre o debate sobre castas e a historiografia da escravidão asiática e atlântica – Cláudio Pinheiro (UFRJ)
“Negras cores” da escravidão para brasileiro não ver: A viagem de Miguel Calmon às plantações de fumo em Sumatra (1906) – Antonio Luigi Negro (UFBA)
Os imigrantes indesejáveis: asiáticos nos Estados Unidos e as leis imigrantistas norte-americanas: 1862-1917 – Marco Aurélio dos Santos (USP)
Papéis que aprisionam: o cerceamento da liberdade do trabalhador chinês em meio a contratos, certificados e permissões – João Ítalo de Oliveira e Silva (UFMG)
Mão de obra chinesa em terras brasileiras nos tempos joaninos: experiências, estranhamentos, contratos, expectativas e lutas – Marcelo Mac Cord (UFF)

SESSÃO 30 – TRABALHO EDUCAÇÃO E INFÂNCIA EM TEMPOS DE ESCRAVIDÃO E NO PÓS-ABOLIÇÃO I
“A quem mais der assim se cumpra”: a institucionalização do trabalho infantil no Cariri cearense na segunda metade do século XIX – Maria Ivanda da Silva (UFC)
“Alfredo Rangel (…) Leva para sua companhia a orphã maria candida vieira, parda de quinze annos de idade”: tutela e contratos de soldada: as novas formas de controle social em Fortaleza no final do século XIX – Juliana Magalhães Linhares
Correlações escravidão-liberdade na organização do trabalho doméstico livre em Salvador no final do século XIX – Marina Leão de Aquino Barreto (UFBA)
O aprendizado de “ofícios do trabalho doméstico” no Recife oitocentista – Tatiana Silva de Lima (UFC)
As práticas de ensino e aprendizagem manufatureiras no rio de janeiro após o fim das corporações de ofício (1824-1860) – Daiane Estevam Azeredo (UFRRJ)

SESSÃO 31 – TRABALHO EDUCAÇÃO E INFÂNCIA EM TEMPOS DE ESCRAVIDÃO E NO PÓS-ABOLIÇÃO II
A trajetória das leis de amparo à infância trabalhadora no pós-abolição no Rio de Janeiro: um caminho de lutas, conflitos e negociações (1889-1930) – Aline Mendes Soares (UNIRIO)
“Agradava-lhe a criada, a Rita, mulatinha viva, lépida…”: domésticas e os espaços de trabalho, educação e lazer (Belo Horizonte, 1897-1930) – Marileide Lázara Cassoli (UFMG)
O trabalho infantojuvenil e suas demandas- análise de processos dos jovens trabalhadores em Pelotas (1945-1950) – Silvia Bandeira Da Silva (UFPel)
O trabalho doméstico em Belém: entre a escravidão e a liberdade (1880-1898) – Marcelo Ferreira Lobo (UFPA)

SESSÃO 32 – ASSOCIATIVISMO, MUTUALISMO E MUNDOS DO TRABALHO
Do arsenal de guerra para o mundo operário mais amplo: trabalho e classe na história da Sociedade Bolsa de Caridade (1872-1930) – Celina Batalha Oliveira Lima (UNEB)
Práticas associativas, mutualismo e mundo do trabalho: um olhar global a partir do Brasil no “longo século XIX” – David P. Lacerda (Unicamp) / Douglas Guimarães Leite (UFF)
Trabalho, classe e nação: um estudo centrado na Associação dos Empregados no Comércio da Bahia (1900-1930) – Mauricio Vitor Santos de Jesus (UNEB)

SESSÃO 33 – ASSOCIATIVISMO, IMPRENSA E MOBILIZAÇÃO OPERÁRIA
O anarquismo e a utopia: aproximações conceituais e algumas análises do jornal a luta (Porto Alegre/RS, 1906-1912) – Evangelia Aravanis (ULBRA)
Um operário nas redações: Nerval Silva, a união operária do paraná e a crise da primeira república (1920-1932) – Jhonatan Uewerton Souza (IFPR)
Motoristas e condutores de bondes em Manaus: cultura, associativismo e greves, 1899-1930 – Dhyene Vieira dos Santos (UFAM)
Guerra, revolução e movimento operário: as greves gerais de 1917 e 1919 no Brasil em perspectiva comparada – Aldrin Castellucci (UNEB)

SESSÃO 34 – TRABALHO, MILITÂNCIA E OUTRAS MANIFESTAÇÕES COMUNISTAS NA DEMOCRACIA RACIONADA (1945-1964) – Moderador: Guilherme Machado Nunes (UFRGS)
As associações femininas comunistas: gênero, trabalho e militância durante a “democracia racionada” – Guilherme Machado Nunes (UFRGS)
Historiografia e memória da atuação sindical do PCB (1948-1952) – Marcelo da Silva Lins (UESC/UFRRJ)
Jacob Gorender: formação, militância e escrita de um filho da classe trabalhadora entre o estado novo e a democracia racionada – Carlos Fernando de Quadros (USP)
Clubes de gravura e revistas culturais ligadas ao PCB (1947-1956): arte social, realismo socialista e regionalismo popular – Andréia Carolina Duarte Duprat (UFCSPA)

SESSÃO 35 – PROBLEMAS E PERSPECTIVAS NA HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO NO BRASIL – Moderador: Amy Chazkel (CUNY)
A temática dos trabalhadores livres e escravizados na produção do GT mundos do trabalho – Paulo Cruz Terra (UFF), Fabiane Popinigis (UFRRJ)
As interações entre classe, gênero e raça na história social do trabalho: uma reflexão a partir da história do trabalho doméstico – Flavia Fernandes de Souza (UFF)
Leis para o trabalho e igualdade de direitos nas redes feministas internacionais – Glaucia Cristina Candian Fraccaro (PUC-Campinas)

SESSÃO 36 – HISTÓRIA DO TRABALHO E DA SAÚDE I
Resquícios de uma luta corpórea: corpos resistentes nas minas de São Jerônimo (RS), 1933-1946 – Cody Alexander Williams (University of Oklahoma/UFRGS)
Acidentes de trabalho e doenças profissionais dos mineiros em Criciúma: a opinião médica e os processos judiciais (1944-1950) – Bruno Mandelli (UFSC)
A doença nos processos da justiça trabalhista em Pelotas, RS (1941-1951) – Lorena Almeida Gill (UFPel)
Motorneiros e os acidentes de bonde na cidade de Manaus – Wanderlene de Freitas Souza Barros (UFAM)

SESSÃO 37 – HISTÓRIA DO TRABALHO E DA SAÚDE II
Melancólicos e hipocondríacos: trabalho intelectual e doença no Brasil do século XIX – Rodrigo Camargo de Godoi (UNICAMP)
Os operários da construção do matadouro público na fazenda de Santa Cruz (1874-1881) – Edite Moraes da Costa (UFRRJ)
O café e seus aspectos médico-sociais, Colômbia, 1891-1953 – Oscar Gallo (Universidad Eafit)
Trabalho e loucura: internos da Colônia Juliano Moreira, Rio de Janeiro (1930-1945) – Anna Beatriz de Sá Almeida (Casa de Oswaldo Cruz/Fundação Oswaldo Cruz)

SESSÃO 38 – TRABALHADORES/AS, JUSTIÇA E LEI I
Do imaginário da vingança: o discurso oculto dos direitos sociais – Jormana Maria Pereira Araújo (UFC)
Caixa Postal 106, fábrica Boa Viagem, Salvador (BA): lugar de fala de um operário – Lucas Porto Marchesini Torres (Unicamp)
Processos trabalhistas individuais como fontes para a história social do trabalho no brasil – Patrícia Costa de Alcântara (UFRRJ)
História das mulheres na justiça do trabalho: uma revisão bibliográfica – Luana Schubert Ledermann (UFPel)

SESSÃO 39 – TRABALHADORES/AS, JUSTIÇA E LEI II
“Realidade voraz”: trabalhadores e trabalhadoras bancárias e terceirizadas frente a reestruturação produtiva e a flexibilização de direitos trabalhistas (Florianópolis, década de 1990) – Conrado de Oliveira e Silva (UFSC)
O trabalho imigrante e a escravidão contemporânea na indústria têxtil paulista (2010-2017): notas de pesquisa – Lorena Fernanda de Oliveira Silva (UFPR)
Experiências de trabalhadoras e trabalhadoras rurais na justiça do trabalho (Lages-sc, 1965-1980) – Marcos Alberto Rambo (UFSC)
Definições de trabalho escravo contemporâneo nos debates de reformulação do Código Penal brasileiro (1990-2003) – Nauber Gavski da Silva (Unicamp)
A economia e o trabalho nos anos 1990: o paradigma neoliberal no brasil – Márcia Naiar Cerdote Pedroso (UFSM)

SESSÃO 40 – DEBATES SOBRE O TRABALHO NA CONTEMPORANEIDADE I
O modelo de flexível de produção e a comunicação organizacional: uma proposta de problematização – Cássia Aparecida Lopes da Silva (UFRGS)
Reformas trabalhistas: a ofensiva neoliberal sobre as condições de trabalho na América Latina – Solange Emilene Berwig (PUCRS)
Trabalho e justiça social no brasil da constituição cidadã: discurso jurídico sobre política urbana e assistência social – Adriano Ruschel Marinho (UFRGS)
Avaliação psicológica na área de saúde do trabalhador – Marcela Haupt Bessil (Ministério da Saúde)

SESSÃO 41 – DEBATES SOBRE O TRABALHO NA CONTEMPORANEIDADE II
Trabalho docente na UFG e UEG entre 2012-2016: precarizacão de condições e relações sociais de trabalho e crescimento de experiências de mal-estar/sofrimento e de adoecimento – Edmar Aparecido De Barra E Lopes (UFG)
A centralidade do trabalho na vida de profissionais de saúde com ensino superior na cidade de Santa Cruz do Sul – Caroline Maria Nunes, Karine Vanessa Perez (pesquisadoras independentes)
Trabalho e aposentadoria: o sentido do trabalho na vida dos professores aposentados que permanecem na atividade docente – Janaína Schultz (pesquisadora independente)
Professora ou tia? O reconhecimento do trabalho docente na educação infantil – Daniela Fischer (pesquisadora independente)

Anúncios